História da Comunidade Santa Teresa

A comunidade Santa Tereza nasceu no dia 04 de abril de 1982 durante uma via-sacra promovida pela CEBs, Comunidade Eclesial de Base São Joaquim. A celebração aconteceu na casa de um dos fiéis do bairro, quando o povo, iluminado pelo Espírito Santo conclamou que poderiam continuar a caminhada e fundar ali mesmo uma nova Comunidade Eclesial de Base, com o nome Santa Teresa. E desta forma, naquela mesma semana nasceu ali uma nova e abençoada Comunidade.  

Entre os anos de 1990-91 foi adquirido um terreno na Rua Iglesias e a igreja foi construída pelos arquitetos da obra divina, senhores Francisco Vitalino dos Santos e Severino Neves dos Santos. Desde o seu surgimento e ao longo destes anos a Comunidade Santa Teresa foi e continua como inclusivista, ou seja, ligada à Igreja Católica e incentivada pelo Concílio Vaticano II (1962-1965) e pela Teologia da Libertação.

A comunidade vive intensamente a fé e trabalha em função da proximidade territorial com o olhar voltado exclusivamente para as suas bases, sem deixar desamparados os demais necessitados. O objetivo é realizar a leitura bíblica em articulação com a vida, com a realidade política e social do nosso mundo moderno, com olhares e atitude críticos às misérias cotidianas com que se deparam na matriz ordinária de suas vidas.

Este trabalho é feito através do método ver-julgar-agircelebrar, que busca olhar a realidade em que vivem (VER), julgá-la com os olhos da fé (JULGAR) e encontrar caminhos de ação impulsionados por este mesmo juízo prático ou teórico à luz da fé (AGIR). A Cebs Santa Tereza e São Benedito sempre foi uma comunidade voltada para a união de pessoas que vivem na mesma região, que comungam da mesma mentalidade e fé. Somos eclesiais, porque estamos unidos à Igreja.

É  de base porque é constituída de pessoas das classes populares.  A sede da comunidade, onde teve início toda nossa luta fica na rua Iglesias, nº 06, Jardim Santa Teresa. Organizada anteriormente na Paróquia Nossa Senhora das Graças e mais tarde ao lado de outras comunidades fundamos  a  Paróquia Cristo Libertador.

A Comunidade Eclesial de Base Santa Tereza e São Benedito se orgulha de apresentar o legado construído ao longo desta caminhada. Um deles, o trabalho com foco na territorialidade, ao lado de pessoas que reunimos pela proximadade geográfica. Este método facilita e favorece a discussão e reivindicação por serviços básicos como limpeza de praças, melhorias na educação, no atendimento dos postos de saúde e saneamento básico.

A CEBs destaca também os Círculos bíblicos, momentos em que os grupos se reúnem para leitura e reflexão da Palavra de Deus e onde temos a oportunidade de confrontá-la e traçar parâmetros com a vida do nosso dia a dia. A Participação e discussão dos problemas comunitários em conselhos ou assembleias têm ampla participação dos membros. Durante anos utilizamos as casas dos integrantes  da Comunidade para realizar celebrações e missas que aconteciam mensalmente.

O primeiro grupo de crisma na Comunidade foi obra de Carlinhos e Fátima, em 1986. Fatos inusitados aconteceram naquela época, como casamentos nas residências e primeiras  comunhões realizadas nas praças, com direito a bolo. Esta celebração coube ao padre Jorge Catóia, da OMI. Tão breve integrou a Paróquia Cristo Libertador as missas na Comunidade Santa Teresa começaram a acontecer dominicalmente. Realizamos ao longo da história diversas festas julinas, do livro e das crianças.

Os nossos casamentos realizados na festa julina se tornaram realidade. A comunidade também alçou voos interestaduais e internacionais. Duas viagens foram realizadas, uma à  Argentina para ordenação  do Gigio, Verbita e outra para Poços de Caldas, em Minas Gerais, para ordenação de Cássio, da OMI.

O bairro Santa Teresa onde a Igreja foi erguida é predestinado e abençoado e já estava marcado para traçar a sua história de luta e  conquista. Isto porque, ali nasceu, em 22 de fevereiro de 1942, Santo Dias, que acabou assassinado e deixou o mundo de maneira precoce, aos 37 anos de idade. Um dos cômodos da casa de Santo Dias foi cedido pela viúva, Dona Ana Dias para sediar a CEBs de Santa Teresa. 

Comunidade Santa Teresa D’Ávila

Anteriormente à construção da Comunidade as celebrações eram feitas nas residências dos moradores e às vezes na pracinha do bairro. Várias celebrações foram feitas na residência de Terezinha Dias, Dona Eugênia, Dona Lurdes, e outros que abriam suas portas para acolher os fiéis. Segundo os moradores o Bispo da época era Dom. Fernando e a região pertencia á Arquidiocese de São Paulo.

O nome da Padroeira foi em primeiro lugar  Santa Teresa, porque a comunidade está localizada no Jardim Santa Teresa. Depois na época do Pe.Elinaldo uniu-se o lado de cima do bairro, onde fica a Rua Ricardo Rapp, que antes era Jardim São Benedito e por uns tempos ficou sendo Comunidade Santa Teresa e São Benedito.

Atualmente com o Pe.José Valdo voltou a ser somente Com. Santa Teresa D’Ávila. Mesmo depois de adquirido o terreno e já com a comunidade erguida, ainda havia muito mais luta pela frente. Em 1997, a luta pela reforma da Igreja começa. Os fiéis iniciam um trabalho e a participação de todos com: bingos, rifas, festa e lista de doações em prol da comunidade. Pe.Felippe era o Pároco da Comunidade Santa Teresa e fez também seu trabalho como pastor. Nesta época eram catequistas na comunidade: Bleme, Elza, Raquel, Kelly e também D. Eugênia uma das primeiras catequistas da comunidade.

No ministério do Pe.Elinaldo as catequistas da Perseverança eram Larissa e Joseni, que também participavam do grupo de jovens que havia na comunidade. E atualmente são Catequistas na comunidade: Cida, Elza e Bleme. Em 1998, a Comunidade conseguiu comprar 60 cadeiras de plástico para melhorar a acolhida dos irmãos e também foi feita a iluminação da torre.

Neste mesmo ano, com a permissão do Pe.Elinaldo, foi construída com a ajuda de todos em cima da comunidade uma pequena casa para Zizinha, uma senhora muito zelosa que cuidava com muito amor da limpeza e organização da Igreja. Ela estava sem trabalho e já de idade um pouco avançada era difícil encontrar emprego, ficou na comunidade durante dois anos e faleceu no dia 14 de setembro de 2000. Zizinha também era zeladora do Sagrado Coração de Jesus.

O forro da comunidade foi colocado no dia 14 de setembro de 2001 e em 2002, foi feita a Campanha dos bancos, para melhor acomodar os fiéis. No mês de fevereiro de 2004 a comunidade ganhou também o piso, pois ainda estava no cimento grosso, sendo a maior parte da cerâmica doação de segundo uso. As cerâmicas vieram bem sujas, mas com a união dos moradores, foram lavadas parte a parte e logo estavam todas limpas para serem colocadas na igreja. Em abril de 2004, a comunidade ganhou a parte elétrica e também o banheiro.  A pintura foi feita na cor padrão da Paróquia. Em setembro de 2004, houve mudanças na comunidade, a Missa que era celebrada aos domingos, passou a ser celebrada aos sábados.

Aqui estão os nomes dos moradores que viram a comunidade nascer, acompanharam seu crescimento e a maioria caminha conosco até os dias de hoje: Terezinha Dias e Sr. Neném, D. Eugênia e Sr. Nelzo, D. Terezinha e Sr. Joãozinho, D.Nana e Sr. Zentake, Célia Maria, D.Dalzinha, D. Lucinda e Sr. Francisco, D. Socorro e Sr. Hélio Fragoso (in memoriam),  Zizinha (in memoriam), D. Salustiana (in memoriam), Chiquinho e Lúcia, Fátima e Carlinhos, Bleme, Elza, D. Lurdes, Socorro Silva, Mércia, Francisca Garcia, Jadilene, Jadilma entre outros. No dia 08 de dezembro de 2004 Pe.José Valdo, foi Ordenado, passando a ser o novo Pároco.

Padre Valdo iniciou seu ministério com muito empenho e força de vontade para trabalhar por benfeitorias na comunidade, sempre ensinando os fiéis a trabalharem unidos por um bem comum, logo incentivou o povo a participar mais ativo na vida da comunidade. Conscientizou os fiéis sobre a importância de ser dizimista e logo a comunidade percebeu as mudanças. Melhorias começam a ser feitas, e a comunidade trabalhando e com as orientações do Padre as coisas começaram a fluir.

As Benfeitorias já realizadas no ministério do Pe.Valdo foram: Iluminação da Torre, reboco das paredes por fora da Igreja, pintura por dentro e fora da Comunidade, armário para guardar os objetos litúrgicos, Sacrário, construção da Capela do Sacrário, Altar, Ambão, Ostensório, Imagem do Sagrado Coração de Jesus e construção de 2 salas para catequese e reuniões No dia 06 de março de 2009, Pe.Valdo formou na comunidade o grupo do Apostolado da Oração, sendo Ele o Diretor Espiritual. No dia 19 de dezembro 2010, foi Ordenado o Pe.José Marcos que passou a ser o Vigário Paroquial, auxiliando o Pe.Valdo.  

Saindo de nossa Paróquia em 2011 para assumir a Paróquia Divina Misericórdia. A Comunidade ganhou também uma cozinha, a Sacristia, os forros e calhas nas salas novas, piso na calçada e ainda a cantina onde hoje são vendidos os famosos pastéis de Santa Teresa aos sábados após a Missa.

 A comunidade é sempre motivada pelo Pe.Valdo a fazer o Tríduo da Padroeira, festas juninas, e sempre nos orientando a parte espiritual. Com Padre Valdo a Comunidade aprendeu a trabalhar todos juntos em favor de um bem comum.

"Deus nos surpreende sempre, quebra nossos esquemas, coloca em crise nossos projetos, e nos fala: 'Confie em mim, não tenha medo, deixe-se surpreender, saia de si mesmo e siga-me'". Papa Francisco

 

 

© 2018 Paróquia Cristo Libertador. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Webinforsystem Soluções para sua empresa.

Nossas Redes Sociais

Endereço

EndereçoR. Guilherme de Poitiers, 35 - Jardim Santa Margarida, São Paulo - SP, 04930-240
Telefone(11) 5832-6695