História da Comunidade Mãe da Divida Providência

Se o povo esquece muitas vezes que Deus é providente, a providência do próprio Deus vem até o seu povo. E foi nesta fonte que a caçula das Comunidades da Paróquia Cristo libertador foi beber.  O dia 28 de outubro de 2007 entrou para a história da Comunidade, fundada exatamente às seis da tarde, hora do Ângelus, após reunião de grupos e movimentos pastorais, Comunidades, Padre José Valdo e todo o povo de Deus.

A benção com o batismo da Mãe da Divina Providência aconteceu na Comunidade Matriz, São Marcos, de onde todos partiram em procissão pelas ruas do bairro, cantando e louvando a Mãe de Deus e nossa, rumo à nova Comunidade. O povo de Deus foi acolhido no lar da família XXXXX, residente à rua, XXXXX, no bairro, XXXXX, onde celebramos a primeira missa.

A celebração foi marcante e deixou emocionados todos os fiéis, guerreiros e guerreiras de Deus que travavam, há muito tempo, esta batalha da vida para verem concretizado o seu Lar Sacratíssimo. Afinal de contas, quem não deseja ter a CASA própria?  Os católicos moradores do bairro louvaram e agradeceram a Deus pelo nascimento da nova Comunidade, que chegou para dar aquele “teto“, aquele “suporte“ aquela “calma e paz espiritual“ que tanto buscamos e precisamos, mas que a gente só encontra na verdadeira Casa do Pai.

Conforme dito anteriormente sobre a providência de Deus... Tudo ia às mil maravilhas, o povo de Deus felicíssimo com a Comunidade, no entanto, eles queriam mais, nós sempre queremos mais e não é pecado quando pensamos desta forma, desde que o “querer mais“ seja sempre em benefício do coletivo, da maioria, do povo, por isto, Comunidade. Depois de alguns meses celebrando na residência do senhor XXXXX, a Comunidade decidiu realizar rodízio na casa de outras famílias para que todos no bairro se sentissem abraçados, benquistos, amados e protegidos pelo manto da Mãe da Divina Providência.

E assim foi feito, a maioria das famílias chamadas à responsabilidade cristã, vestiram a camisa da fé e, religiosamente, às seis da tarde de todos os domingos, participavam das celebrações.  Em seguida a Comunidade assumiu o compromisso de rezar o santo terço todas as noites naquelas casas que solicitavam a presença da santa imagem da Mãe da Divina Providência. A alegria e certeza de vivermos nossa fé é que Deus sempre nos conduz por caminhos que nos faz revelar o seu mistério e sua bondade para com seus filhos e filhas.

Desde então descobrimos como é bom viver sob os cuidados da Divina Providência de Deus, sendo honrados a cada dia que acordamos. No entanto, até a mais bela rosa apresenta espinhos. Não há caminho para a salvação que não seja árduo, não há guerras sem batalhas. A história da própria Igreja Católica Apostólica Romana é marcada por desafios e obstáculos, desde o seu nascimento, há mais de dois mil anos. Então, não tem como a vida de uma Comunidade não sofrer percalços.  Aquela harmonia toda, com a escala de rodízio atendendo todas as casas, começou a ruir, não por falta de compromisso ou ausência do povo de Deus, mas sim, por causa do egoísmo, da falta de fé, do desamor, do egocentrismo de algumas pessoas que deixaram de celebrar.

Abandonaram a caminhada devido a motivações pessoais e porque não entravam em todas as casas. Vale lembrar que Cristo, pouco antes de ser traído, em reunião com os doze apóstolos disse a Judas para que fizesse o que precisava ser feito. Ou seja, mesmo sabendo da traição, Jesus não excluiu o traidor do convívio com os demais, Judas não foi privado de cear com todos os apóstolos. Que isto sirva de lição para nós, o perdão deixa nossos corações mais fortes contra todas as doenças, principalmente, as espirituais. Ultrapassado aquele momento, a vida seguiu e a Comunidade foi acolhida pela família de Sr. Zacarias e dona Marlúcia.

A partir de março de 2007, ao longo de três anos e dez meses a missa passou a ser celebrada na garagem da casa do casal, localizada na Rua Lázaro Rodrigues, nº 177, Jardim Gustavo. A comunidade de São João Batista deu um grande suporte na organização e preparação da liturgia da missa, bem como, outras lideranças de grupo, pastorais e movimentos da nossa Paróquia Cristo Libertador.   A caminhada do povo de Deus havia voltado aos trilhos, no entanto, sofreu novo baque.

O fiel e bondoso casal mencionado acima, por duas questões interrompeu as celebrações na residência deles: estavam na expectativa de mudar de bairro e por motivos de saúde, que necessitava de cuidados médicos, não poderiam mais abrir as portas do seu lar, religiosamente, todos os domingos, às seis horas da tarde para a celebração. Mas a Comunidade que abençoou a todos foi novamente abraçada por um novo casal. Senhor Afonso e dona Cecília passaram a receber o povo da Comunidade, durante 10 meses, na Rua José Barbosa dos Santos, nº 04, no jardim Santa Margarida, sempre às seis horas da tarde.

Desde então, ali reside a Comunidade Mãe da Divina Providência, cujo povo de Deus está sempre pronto para novos obstáculos, tarefas, desafios e percalços, porque a vida só faz sentido porque existe a morte. Seria muito enfadonho saber que não morreríamos, e como não sabemos nossa hora queremos e devemos aproveitar cada momentinho que Deus nos propicia viver. E como temos o livre arbítrio, cada um pratica isto de uma maneira: alguns de forma inteligente, profícua, outros nem tanto.

A sabedoria divina é infinita, portanto, cabe a nós abrir a Bíblia e beber desta inesgotável fonte. Se necessário, um novo lar estará aberto para abrigar a nossa Mãe da Divina Providência, porque a caminhada não pode parar e o povo de Deus não deve abandonar a luta.

"A honra proíbe ações que a lei tolera" Sêneca (4? a.C.-65 d.C.)

Àrea Restrita

© 2017 Paróquia Cristo Libertador. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Webinforsystem Soluções para sua empresa.

Nossas Redes Sociais

Endereço

EndereçoR. Guilherme de Poitiers, 35 - Jardim Santa Margarida, São Paulo - SP, 04930-240
Telefone(11) 5832-6695
Free Joomla! templates by Engine Templates